Na ponteira #2 :: Prova de nivelamento.

8:33:00 da manhã



Estar em uma escola/academia de dança, nada mais é do que estudar para se tornar bailarino, independentemente de você querer levar isso pra sua vida profissional ou não. É claro que alguns lugares levam o fator dedicação mais a sério que do que outros, mas é claro também que o mínimo de disciplina é exigido em bons lugares - principalmente quando o assunto é ballet clássico.
A maior parte das academias de dança que conheço tem, mais ou menos, a mesma linha disciplinar, mas vou tirar como exemplo o lugar onde eu danço. Lá na academia, temos apostila teórica e ilustrada para cada nível: Preliminar, Iniciante I, II, Intermediário e Avançado. Nelas temos a parte técnica do que faremos durante o período e também a parte histórica - como os balés de repertório e nomes de importantes dançarinos e seus métodos. As provas teóricas acontecem no final de todo mês e as de avaliação e nivelamento a cada seis meses. Já nas outras modalidades - Jazz, Contemporâneo, Moderno, Afro e Street Dance - as provas são apenas semestrais e o nivelamento acontece uma vez por ano.
Okay, mas aonde eu quero chegar com tudo isso?
A verdade é que mesmo dançando há quase seis anos, eu nunca tinha feito uma prova de nível na minha vida! Como participava de um projeto social e lá a professora nos avaliava durante todo o ano, ela não julgava necessário uma prova específica pra definir quem trocaria de turma, ou não. Resumindo: estava apavorada!! Nem quando voltei a dançar, no começo do ano, eu fiz nivelamento na academia, pois sabia que estava enferrujadinha e escolhi começar no Preliminar mesmo pra pegar o ritmo de novo, fortalecer o corpo, pegar minha flexibilidade de volta e entrar completamente no método da academia. Mais uma vez: estava apavorada com a prova de nível! E pensando nisso resolvi fazer uma listinha de coisas que me ajudaram a encarar esse momento e me deram a aprovação ao final de quase uma hora e meia de tensão! hihi

OBS: Me perdoem pela qualidade da imagem. Celular meia-boca, nervosismo, tamanho Instagram... Sabem como é, né? :x
1 - Não entre em pânico! 
É óbvio, mas dificílimo de conseguir na prática! O nervosismo é super normal, mas deixar que ele te controle é furada. Tenha sempre em mente que ninguém vai te descontar pontos só porque sua perna não bate na cabeça na hora de um grand battement, ou porque seu en dehors ainda não alcança os 180º. A não ser que você esteja prestando prova para um Bolshoi da vida, a pessoa que está te avaliando sabe que cada um tem seu tempo e seus limites. O que realmente importa é a técnica usada na hora de executar os movimentos e o ritmo.

2 - Confiança e leveza, sempre!
A banca sabe que você está uma pilha de nervos e vai reconhecer isso, mas a verdade é que você não precisa confirmar o que eles já sabem. As pernas podem estar meio moles e sua sapatilha ficar mega úmida quando o avaliador te pedir pra ficar dezesseis tempos em um retiré na ponta, mas seu corpo precisa dizer "Puff! Isso é moleza! Sou diva! Sou clone da Ana Botafogo!" Uma das coisas que eu realmente aprendi na prova é que confiança é tudo.

3 - Pratique e se arrisque!
Se você tem dificuldade em determinado movimento, ou se sua flexibilidade precisa ser melhorada, treine. A maioria dos centros de dança oferecem aulas de forço e de elasticidade por fora. Se tiver disponibilidade, faça. Se não tiver, converse com sua professora e com os outros alunos e tentem ver um método de ajuda, como cinco minutinhos a mais a cada aula, ou uma sequência maior... É raro haver recusa, principalmente quando o professor é atencioso quanto ao desenvolvimento dos seus alunos.

4 - Não pare e não desista!
A lógica é que tudo que você vai fazer em uma prova de nível da própria academia, vai ser o mesmo que você faz durante as aulas. Mas é normal cair umas pegadinhas de vez em quando ou a sequência ser diferente daquela com a qual está acostumada, mas com certeza ninguém vai colocar um passo novo ou exagerar na mudança de ritmo e de tempos logo na hora da prova. Se, por alguma razão, você sentir que não sabe fazer a sequência, vale tentar uma espiadinha básica pelo espelho e executar da maneira que conseguir. Se errar, errou. O que não vale de jeito nenhum é parar no meio do caminho só porque esqueceu a sequência ou perdeu o equilíbrio. Parar e ficar com aquela cara de choro e de derrota olhando pra banca não vai resolver nada. Garanto que algum ponto você ganha por "se ajeitar" e prosseguir como se nada tivesse acontecido.

5 - Dance!
É, simples assim. Se você dança e ama o que faz, sabe que técnica e disciplina são fundamentais, mas que nada disso tem graça ou beleza se não tiver sentimento, se não tiver alma. Mesmo que seus passos não sejam executados com a perfeição que você esperava, até pelo próprio nervosismo, se a banca perceber que você está fazendo aquilo de alma e coração e dedicando o máximo de si possível, com certeza te passam para o próximo nível, te dando a chance de ampliar sua técnica e melhorar seu desempenho.

Cuidados especiais:
- Não deixe para lavar/separar o uniforme e os acessórios em cima da hora. Como qualquer prova, planejamento é essencial.
- Se puder, tenha sempre um plano B. Ou seja, duas sapatilhas, duas meias, esmalte (para colocar na meia caso ela puxe aquele fiozinho infeliz), estojinho de costura , elástico e fitas extras, mais de um par de ponteiras, esparadrapo (pra quem usa sapatilha de ponta), uma caixa de grampos para o cabelo e uma quantidade suficiente de gel para colocar as pontinhas no lugar, etc.
- Assim como o uniforme, a aparência também conta muito. Então não custa ter uma atenção especial com pele, cabelo e unhas nos dias que antecedem a prova. 

Se a reprovação for inevitável, encare como uma nova possibilidade de melhorar e consertar o que ficou errado. 
Sei que a maioria das coisas que eu coloquei são bem óbvias, mas são verdadeiras. E novamente, se sentir segurança e amor no que faz, fica tudo mais fácil, mesmo sendo difícil.  (:

Um beijo de uma aprendiz de bailarina,
Tuane C.

You Might Also Like

2 pitacos